Enobrecer, dinamizar e estimular, o saber ser e estar, dos árbitros deste conselho regional.

30
Ago 09

 

 

quei em patins


Curso sobre novas regras com 18 participantes 


Orlando Graça, prelector

Luanda – Um curso sobre as novas regras internacionais da arbitragem na modalidade de hóquei em patins teve hoje (sábado) início na sede do Comité Paralímpico Angolano (CPA), em Luanda, com a participação de 18 profissionais da área, apurou a Angop.

 

A acção formativa, com duração de quatro dias, é dirigida pelos prelectores portugueses Carlos Graça, presidente do Comité Europeu de Rink-Hockey, e Orlando Graça, membro da Comissão Técnica da mesma instituição.

 

Aprovadas em Outubro de 2008 pelo Comité Internacional de Rink-Hockey (CIRH), as novas regras de jogo entram em vigor na Europa a 1 de Setembro deste ano e em todo mundo a 1 de Janeiro de 2011.

 

Os novos manuais a que os profissionais da arbitragem do país começaram a ter acesso a partir de hoje, em sessões bi – diárias, determinam, por exemplo, a eliminação das linhas de anti-jogo e a definição de zonas de ataque e defensiva de cada equipa.

 

Outra alteração, que envolve um conjunto de normas, está ligada a parte disciplinar. Além da eliminação dos cartões amarelos, se o atleta for suspenso não poderá ser substituído num período inferior a dois minutos, durante os quais a sua equipa joga em inferioridade numérica, contrariamente a lei anterior que permitia a troca imediata.

 

No caso de expulsões, o jogador expulso não retoma ao jogo, mas é substituído imediatamente por um colega. Já nas novas regras, a substituição só deverá ocorrer depois de quatro minutos, que podem ser encurtados caso a equipa sofra um golo.

 

As chamadas faltas de equipas (infracções leves como empurrar, agarrar, toque no stiks, impedir ilicitamente o adversário de rematar à baliza) serão contabilizadas, e a partir da décima falta, a formação infractora será castigada com um livre directo, adoptando-se o mesmo procedimento a cada cinco faltas seguintes durante a partida.

 

Depois de acções do género estarem a decorrer por toda Europa, Angola é o primeiro país a beneficiar da acção formativa fora daquele continente, seguindo-se, possivelmente, a Argentina.

 

As novas regras entrarão em vigor oficialmente durante da realização do campeonato do mundo a decorrer na cidade moçambicana de Maputo, em 2011.

 

 

publicado por JPCosta às 08:00

29
Ago 09

 

Em várias modalidades

 

Árbitros ponderam fazer greve 


 Luís Guilherme diz que os árbitros estão fartos de esperar

Os árbitros ponderam fazer greve num fim-de-semana antes das eleições para protestar contra a forma como dizem estar a ser penalizados em sede de IRS.

 

Árbitros ponderam fazer greve.

A ameaça de paralisação foi feita pela Confederação das Associações de Árbitros e Juízes de Portugal, que representa árbitros e juízes de futebol, andebol, basquetebol, voleibol, hóquei em patins, tiro, ténis de mesa, ciclismo e karaté. Os árbitros da Liga de futebol estão solidários com os colegas, embora não sejam afectados por este problema.
Em causa está o atraso na publicação de um despacho conjunto das secretarias de Estado dos Assuntos Fiscais e da Juventude e do Desporto que estabelece uma alternativa em sede do Código de IRS. Os árbitros estão há sete meses à espera da nova legislação. 

O presidente da Associação de Árbitros de Futebol, Luís Guilherme, afirma à Antena 1 que os árbitros estão cansados de não obter resposta.

"Os árbitros estão fartos de esperar. Por exemplo, no futebol há dezenas de árbitros que já abandonaram a sua actividade", refere.

"Se o problema não for resolvido, os árbitros encaram fortemente a possibilidade de se indisponibilizarem durante um fim-de-semana até às eleições de actuarem nos jogos para os quais forem nomeados", sublinha.

Caso os árbitros façam greve, as provas desportivas ficam paralisadas durante um fim-de-semana.

"por Sandra Henriques"

publicado por JPCosta às 13:40

Pouco tempo depois de terminada a estreia mundial de "Les Arbitres" e já as suas estrelas davam a aprovação unânime ao filme, autorizado pela UEFA, sobre os árbitros presentes no UEFA EURO 2008™.

 

Aprovação unânime
As personagens principais do documentário de 77 minutos assistiram à estreia do filme no festival de Locarno, esta segunda-feira – e mais tarde elogiaram de forma unânime a visão muito humana do sector da arbitragem dada pelo realizador Yves Hinant. O árbitro suíço Massimo Busacca foi o primeiro dos juízes retratados a aparecer no filme. Referiu que isso não só lhe trouxe de volta a emoção vivida durante o torneio, como também teve o propósito importante de ajudar o público a perceber as dificuldades que os árbitros enfrentam.

"Boa mensagem"
"É um bom filme porque as pessoas podem realmente compreender o que é tomar uma decisão numa fracção de segundo", disse Busacca ao uefa.com. "E como é para o árbitro tomar uma decisão, cometer um erro e imediatamente ter que o esquecer. Vai ajudar as pessoas a perceber como é a vida de um árbitro. Às vezes não é fácil, porque quando se comete um erro ficamos entregues a nós próprios. Quando penso nas coisas dessa forma, às vezes fico com receio. Mas vai passar uma boa mensagem e servir de boa publicidade para a arbitragem".

Visão alargada
Ao mostrar os árbitros dentro e fora do terreno de jogo – em situações que vão desde a pressão intensa vivida num encontro da fase final do EURO até à vida familiar –, o realizador Hinant e o produtor Jean Libon conseguiram apresentar de forma bem-sucedida uma visão alargada do tema. O juiz espanhol Manuel Mejuto González aplaudiu o seu feito. "Foi uma grande surpresa, porque o filme mostra as emoções, não apenas em momentos específicos dos jogos, mas as conversas que têm lugar durante os mesmos, no balneário e com as nossas famílias", disse. "Todos pensam que um árbitro quando toma uma decisão, boa ou má, depois vai para casa e esquece tudo. Não é verdade. Os árbitros são como os jogadores – reflectem sobre o que se passou, pois querem melhorar. É bom que todos vejam que somos seres humanos, profissionais, e que damos o nosso melhor".

Teste ao carácter
De acordo com o juiz italiano Roberto Rosetti, escolhido para dirigir a final do EURO, o filme vai atrair espectadores precisamente por se focar na falibilidade dos árbitros. "É um filme muito interessante, emotivo, que mostra o lado humano – o árbitro com um comum mortal. Vêem-se situações negativas, que fazem parte da nossa carreira, e com as quais temos de conviver. Na minha opinião é importante a forma como um árbitro ultrapassa essas situações. O lado humano do árbitro faz parte do futebol. Os erros de arbitragem também. Tenho que me preparar o melhor possível, mas tirando isso, sou um homem, capaz de tomar decisões correctas, mas também de errar".

Efeitos na família
Para o juiz inglês Howard Webb, o papel dos agentes secundários no filme "Les Arbitres" também é significativo, já que sublinha os efeitos que uma decisão do árbitro pode ter na sua própria família. "No global, trata-se de uma representação muito positiva sobre as nossas vidas. Estou ciente do facto de a minha família ser afectada pelas decisões que eu tomo dentro de campo – o seu maior desejo é que os meus jogos decorram sem polémicas –, mas também compreendem que isso nem sempre é possível. Escolhi ser árbitro e foi apenas com o seu apoio que consegui chegar a este nível. Estou sempre esperançado que o que se passa no relvado não afecte a minha família. Mas o filme mostra como é que essas coisas influenciam a vida familiar. Fornece uma outra perspectiva que, em situações normais, nunca seria do domínio público".

Recordar emoções
Tensão, pressão, alívio. O vasto leque de emoções que os árbitros experimentam é recordado com carinho pelo árbitro sueco Peter Fröjdfeldt, entretanto retirado. "O EURO foi uma experiência fantástica, e sinto falta disso", disse. "Não sabíamos a forma como iríamos ser apresentados no filme – positiva ou negativa. Mas trata-se de um excelente filme. Mostra que não somos máquinas e também que queremos fazer o nosso melhor de cada vez que entramos em acção. É como no teatro – umas vezes sorrimos, noutras zangamo-nos – por isso preparamo-nos para tudo e esperamos o inesperado. Somos como actores no relvado". E em Locarno, esta semana, igualmente no grande ecrã.

In http://pt.uefa.com

publicado por JPCosta às 08:00

28
Ago 09


Artigo Por João Agre
No dia 12 de Setembro, os árbitros irão ter uma acção de formação sobre as novas regras do Hóquei em Patins, que começam a ser aplicadas já no dia da Supertaça, a 26 do mesmo mês.


De acordo com o jornal "O Jogo", as mudanças sobre as novas regras de jogo não são consensuais, mas técnicos e jogadores partilham da mesma opinião: as equipas tecnicamente mais desenvolvidas podem levar vantagem.

No dia 12 de Setembro, está agendada uma acção de formação para todos os árbitros, de forma a reciclar todos os conhecimentos e mesmo os torneios de pré-época servirão de testes para as novas regras.


Já no dia 26 de Setembro, as regras começam a ser aplicadas oficialmente, na Supertaça em Viana do Castelo, e são válidas em todas as provas nacionais e internacionais.

In http://desporto.sapo.pt

publicado por JPCosta às 13:37

 

No Hóquei Patins vive-se um momento algo conturbado e confuso com a introdução das novas regras, isto é, devido às exageradas alterações introduzidas e que a meu ver muitas delas desnecessárias. Contudo, não podemos parar nem ser pessimistas, à que dar tempo ao tempo e observar os resultados.
Não tenho dúvidas de que era necessário fazer algumas alterações mas, de modo faseado e não passar do 8 para 80.
Dizem os mentores e impulsionadores das novas regras que estas alterações se devem à falta de golos e à violência que tem vindo a ocorrer de uns anos a esta parte. Pessoalmente discordo totalmente com tais afirmações e se chegou ao estado actual de falta de golos e violência, se deve à falta de coragem dos Dirigentes, Árbitros, Delegados Técnicos, FPP, Associações, Conselhos de Arbitragem e dos demais agentes da modalidade e da Arbitragem.
Quem é que tem feito cumprir as regras de jogo? ninguém... Os Árbitros, alguns anos a esta parte têm vindo a dirigir os jogos em conformidade com os ambientes, a segurança, as competições, as categorias etárias, etc. quer a nível nacional, internacional ou regional. Todos somos culpados do estado actual do Hóquei em Patins.
Cito alguns exemplos: quem cumpria ou fazia cumprir o Artº 53º alíneas: a), b) e c). O Artº 63º pontos 1.2 e 1.3. ambos das Regras de Jogo e os Capítulos nº VIII 3.4 alíneas: b), c), d), e), g), h), e 4.2. d), f), g), h) e i) se fizermos uma breve leitura a estes pontos observa-se que poucos ou nenhuns dos Árbitros, e demais agentes os faziam cumprir e daí a violência gerada na nossa modalidade, sem enumerar outras situações, como por exemplo o péssimo comportamento nas bancos dos suplentes consentido pelos árbitros.
Será que com as novas regras no que diz respeito à disciplina estas vão ser cumpridas?
Certamente que, vai haver muita gente que não vai gostar deste meu comentário porque a verdade dói, mas só quem não quer ou quem não gosta da modalidade poderá discordar do que acabo de escrever.
No entanto as novas Regras é uma realidade e um acto consumado. Assim sendo, vamos todos fazer para que as novas Regras sejam aplicadas com rigor em todas as provas e competições, pela minha parte irei dar todo o contributo que me seja possível para que assim aconteça e que daqui a alguns meses possamos dizer valeu a pena o esforço e o tempo despendido em prol do Hóquei em Patins.
Saudações

Feliciano Costa
JFC


 

publicado por JPCosta às 13:36

publicado por JPCosta às 13:34
tags:

14
Ago 09

Chegou o momento:

publicado por JPCosta às 01:00
tags:

Os portugueses dividem-se em dois grandes grupos:
os que viram carlos lopes ganhar o primeiro ouro olímpico na madrugada de 13 de agosto de 1994

e os que não.
eu estou no primeiro grupo
.

 

 

In "Antonio Boronha blog"

 

publicado por JPCosta às 00:52
tags:

13
Ago 09

publicado por JPCosta às 20:49
tags:

12
Ago 09

Ana Paula inicia volta ao futebol e prepara livro sobre trio pioneiro de mulheres

Ana Paula Oliveira está escrevendo um livro e sonha em voltar para o quadro da Fifa

 

Por Luciano Borges

“Acho que ela está com vontade. Depende disso. Ela ainda precisa melhorar a resistência”. A avaliação é do homem forte da arbitragem em São Paulo, o coronel da reserva da PM Marcos Marinho. “Ela” é Ana Paula Oliveira que participou do primeiro dia de um programa de condicionamento físico desenvolvido pela Comissão Estadual De Arbitragem da Federação Paulista de Futebol.

Desde que posou nua para a revista Playboy, na edição de Julho de 2007, Ana não actua como assistente de árbitro em jogos organizados pela FPF e CBF. Nestes dois anos, ela tem trabalhado como juíza em eventos, mas deixou de fazer parte do quadro da FIFA porque não passou nos testes físicos da entidade internacional.

Ana Paula alegou uma contusão e, depois, problemas particulares que a impediram de passar nestes exames. O desempenho exigido é de alto rendimento, difícil de ser cumprido.

Enquanto não retorna aos jogos oficiais de São Paulo, a assistente de arbitragem (como gosta de ser chamada) divide o tempo com outras atividades. Ainda frequenta os campos de futebol, atuando como árbitra em partidas organizadas por prefeituras ou empresas privadas. Tem dado palestras em eventos corporativos.

Uma passada pelo site de Ana Paula revela que ela está estudando jornalismo. Além disso, apresenta um programa de rádio semanal em Campinas e, duas vezes por semana, participa de um programa de televisão. “É um quadro onde falo de esporte de um jeito descontraído”,disse.

A bandeirinha (como não gosta de ser chamada) está trabalhando na confecção de um livro que vai contar a história do primeiro trio de arbitragem só de mulheres no futebol masculino.

Em 26 de Junho de 2003, a juíza Silvia Regina e as auxiliares Ana Paula Oliveira e Aline Lambert trabalharam juntas no confronto entre Guarani e São Paulo, vencido pelos tricolores (1 a 0). O trio é pioneiro no mundo e, com atuações convincentes, incentivou várias jovens a seguir carreira na arbitragem.

Mais de seis anos depois, Silvia deixou o apito e hoje faz parte da Comissão Estadual de Arbitragem da FPF. Aline continua bandeirando, mas vai ficar parada por três meses para se recuperar de um problema muscular.

Ana Paula não quis dar detalhes de seu novo projeto. “Vai sair tudo no meu site”, disse. Ele evitou esticar a conversa por telefone, alegando ter tido “dores de cabeça” com notícias publicadas antes no Blog do Boleiro.

A assistente de arbitragem está fora do quadro da FIFA. Sem passar pelos testes físicos da entidade desde junho de 2007, ela garante – em seu site – que ainda sonha em trabalhar em um Mundial. “Sei que é difícil, mas tenho convicção que ainda irei trabalhar numa Copa do Mundo”.

A assistente desfilou com uniformes de juízes da FPF

 

A chance de voltar a bandeirar aumentou com o Programa de Condicionamento Físico Progressivo desenvolvido pelo Cel. Marinho. Os cerca de 70 homens do apito (juízes e assistentes) que atenderam à convocação da FPF e foram até Caieras (grande São Paulo), passaram por uma avaliação inicial que determina percentual de gordura, capacidade de resistência e velocidade.

A partir do próximo sábado, todos terão que completar o primeiro teste físico: correr três tiros de 60 metros cada um (velocidade) e completar seis voltas no campo (resistência), revezando corridas de 150 metros com caminhadas de 50 mts, num total de 12 tiros.

Quem consegue cumprir com sucesso esta etapa já poderá ser escalado nos jogos da Federação Paulista. Mas vai precisar, no dia 22, repetir e melhorar o desempenho em outro teste (quatro tiros de 60 mts e 14 tiros e sete voltas ao redor do campo)..

Depois, os árbitros terão mais três sessões, sempre aos sábados. Até chegar a seis tiros de velocidade e 10 voltas no campo (20 tiros de 150 mts).

Quem passar continua trabalhando. Quem “deixar de cumprir as metas propostas” ou faltar a um dos testes ou não cumprir o protocolo do teste FIFA, estará impedido de continuar trabalhando nas partidas.

O Cel Marinho quer ainda aproveitar este Programa para iniciar um estudo que vai durar dois anos. “Depois deste tempo, pretendemos propor à FIFA que crie dois testes, um para árbitros e outro para os assistentes”, disse ao Blog do Boleiro.

Na verdade, quem apita corre mais em campo. O estudo da FPF mostra que um juiz percorre a distância média de 12 km por partida. O assistente é exigido menos: 2,5 km. Não haveria, então, necessidade de submeter os bandeirinhas ao mesmo nível de exigência física dos árbitros.

No sábado passado, o Cel. Marinho sentiu Ana Paula Oliveira disposta a encarar os sábados de testes propostos pela FPF. Ela é um dos motivos para que a Comissão Estadual desenvolvesse o Programa progressivo: “Estamos perdendo assistentes com técnica muito boa por causa desta exigência da Fifa”, disse Marinho. 

 In " Blog do boleiro"

publicado por JPCosta às 10:23

10
Ago 09

publicado por JPCosta às 23:27
tags:

09
Ago 09

Óscar Rocha regressa para chefiar departamento de hóquei 

O antigo responsável pelo hóquei dos encarnados de Ponta Delgada regressa a casa cinco anos depois. Óscar Rocha assume o compromisso de, com os parcos recursos à disposição, tudo fazer em prol do clube e para manter aberta a secção.
Carlos Sebastião e Óscar Rocha são os novos responsáveis pelo Departamento de Hóquei em Patins do Santa Clara. O vice-presidente dos encarnados de Ponta Delgada ficará responsável pelo pelouro da modalidade, enquanto que a ponte será feita por Óscar Rocha, novo responsável pela secção, anunciou ontem o presidente da direcção.

Desta forma termina a especulação em redor sobre o eventual encerramento da modalidade no clube o que, desta forma, não vai suceder. Em conferência de imprensa, Cruz Marques enunciou os pressupostos pelos quais se vai nortear a secção de hóquei em patins que terá de ser auto-suficiente. É uma modalidade auto sustentável.
O que o Santa Clara vai garantir são os apoios concedidos pela Direcção Regional do Desporto e Câmara Municipal de Ponta Delgada. O restante orçamento será completado por verbas obtidas de apoios publicitários”. “Vai ser uma equipa amadora, à imagem e semelhança da do ano passado, ou seja, com jogadores não profissionais, jogadores que devem jogar por amor à camisola”, sublinhou o presidente da direcção dos encarnados de Ponta Delgada. Depois de cinco anos afastado da modalidade e do clube, Óscar Rocha - um dos dirigentes que levou o clube à II Divisão, onde actualmente se encontra a equipa a competir -, fez questão de agradecer publicamente o apoio recebido pela actual direcção, assumindo também o compromisso de honrar, da melhor forma, os objectivos de manter em actividade a modalidade que, na história do Santa Clara, tem um peso considerável. Sem traçar metas nem objectivos competitivos, o novo seccionista revelou que nesta altura foi dado início ao trabalho de gestão, “o começo de um novo ciclo”, como recorrentemente fez questão de frisar ao longo da conversa com os jornalistas.
Primeiras abordagens Óscar Rocha afirmou aos jornalistas que quando chegar a altura convocará uma conferência de imprensa para anunciar a composição do novo grupo de trabalho e equipa técnica. Por ora, adiantou, foram iniciadas as primeiras abordagens aos elementos que jogaram o ano passado, no sentido de saber de estão disponíveis em continuar.
Neste sentido, esclareceu, os problemas financeiros da última temporada (jogadores não receberam nenhum vencimento em toda a temporada) não estão, neste momento, a condicionar as conversas prévias que estão a ser mantidas. De igual modo não foi referido qualquer nome para a futura equipa técnica do Santa Clara.
fonte AO

In 'Golfinho vermelho"

 

publicado por JPCosta às 20:00

(sharon stone para o 'paris match')
Tem 50 anos e qual é o problema?...

 

In " A. Boronha blog"

publicado por JPCosta às 00:04

08
Ago 09

árbitro apanha em Teixeira Soares


Asim que o jogo terminou, jogadores da equipe de Teixeira Soares partiram para cima dos jogadores do Palotina e um princípio de confusão se formou. 

O atleta Coxinha e o técnico da equipe de Teixeira Soares eram os mais exaltados, mas a policia militar agiu rapidamente, esfriando os ânimos dos mais exaltados.

Foi ai que aconteceu o pior. Muitos torcedores tiveram acesso a quadra de jogo, partindo para cima dos árbitos da partida.

Cenas lamentáveis foram vistas, como a do árbitro da partida sendo atingido, já caído ao chão, desacordado, por diversos chutes na cabeça.

A polícia militar, que no início da confusão tentava proteger os atletas do Palotina, viu-se obrigada a deixá-los de lado e passar a proteger a equipe de arbitragem. Atletas e comissão técnica do Itvale/Palotina foram obrigados a sairem de quadra correndo em meio ao tumulto em direção ao vestiário.

Muitos torcedores partiram em direção ao jogadores do Palotina, que rapidamente conseguiu deixar a quadra de jogo.

A porta do vestiário do Palotina foi totalmente arrombada por alguns torcedores, mas um dos policiais interviu e conseguiu impedir maiores agressões.

O árbitro da partida foi levado desacordado para um hospital na cidade de Iraty, e segundo um dos seus auxiliares, passaria por uma tomografia.

Árbitros e delegação do Palotina tiveram ainda que seguirem escoltados até fora da cidade de Teixeira Soares, para que a segurança e integridade de todos fosse garantida.

Por: Antonio Marcos

In "Blog da equipe de ouro"

publicado por JPCosta às 23:40

05
Ago 09

A A sociedade desportiva tem por obrigação compreender que o árbitro é um ser humano e como tal cometerá erros durante as partidas. O árbitro por sua vez deve assimilar os erros e ao reconhecê-los, deve respirar e ter calma, analisar e procurar não comete-los mais. Nunca compensar uma equipe prejudicada com uma inversão ou criar uma situação favorável. Se fizer, estará duplicando o seu erro e diminuindo sua autoridade e credibilidade.

 


Tomada uma decisão, o árbitro não deve voltar atrás se certo de sua justiça. Se perceber que sua decisão não está correta ou avisada por um membro da equipe de arbitragem que esta cometendo um erro, tendo a partida não reiniciada, poderá voltar atrás de sua decisão inicial. Se assim fizer, não é desmoralizante sua atitude e sim um ato de humildade e justiça.

 

O árbitro deve está plenamente focado na partida para que a margem de erros seja mínima. Errar uma vez e voltar atrás, normal. Errar pela segunda vez e voltar atrás, ainda pode ser considerado normal. Agora, errar pela terceira vez e voltar atrás, passara a imagem de um árbitro frágil e sem personalidade, os jogadores irão perceber esta fragilidade e irão tirar proveito fazendo do árbitro um fantoche, os treinadores também vão aproveitar para reclamar das decisões quando não favoráveis, sem contar a torcida que irá exercer uma forte pressão sobre a arbitragem para pender em favor de sua equipe.

 


O árbitro deve ser compreensivo e inteligente para assumir e assimilar o erro, fazer dele uma lição, em outra situação semelhante não o cometes novamente. Afinal, quem nunca errou?

IN "O UNIVERSO DA ARBITRAGEM DE FUTEBOL "

publicado por JPCosta às 23:40

Agosto 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
pesquisar
 
pesquisar
 
Árbitros de Leiria/Época 2012/13
Nacional "A": ---- Nacional "B": António Peça, Armando Henriques, David Barros, Luís Correia, Orlando Ramos, Paulo Carvalho, Pedro Sousa, Vitor Roxo Regionais: Élio Rodrigues
blogs SAPO